Acessibilidade

Tamanho da Fonte

Alto contraste
Ir para o conteúdo 1 Ir para o menu 2 Ir para o rodapé 3
TCE/TO > Sala de imprensa > Notícias > MPC/TO recomenda que administradores públicos preencham dados de licitações e obras

MPC/TO recomenda que administradores públicos preencham dados de licitações e obras

33 Visualizações
Publicado: 13 de junho de 2017 - Última Alteração: 13 de junho de 2017

Tamanho da Fonte

Gestores têm até 10 dias para informar dados de 2017.

O procurador-geral do Ministério Público de Contas do Estado do Tocantins (MPC/TO), Zailon Miranda Labre Rodrigues, emitiu recomendação, nesta terça-feira, 13, a todos os órgãos e entidades da administração pública direta, indireta, estadual e municipal para que efetuem o  preenchimento eletrônico das informações do Sistema Integrado de Controle e Auditoria Pública – Licitações e Obras (SICAP-LO), referentes ao ano de 2017.

 

De acordo com a recomendação, os representantes têm até 10 dias para informar os dados relativos aos procedimentos licitatórios, inclusive as dispensas e inexigibilidades, contratos, aditivos, apostilamentos e medições, além das adesões a atas de registro de preços (“caronas”), bem como quaisquer modificações efetuadas.

 

A recomendação ainda concedeu prazo de até 30 dias para que sejam disponibilizadas informações dos últimos cinco anos concernentes ao SICAP-LO, a fim de manter o sistema atualizado. No site do Tribunal de Contas do Estado do Tocantins, está disponível o Manual Técnico do SICAP-LO.

 

Caso a recomendação não seja atendida, o MPC/TO alerta que, “além de aplicação de multa, será entendida como negativa do acolhimento integral dos termos da presente recomendação, bem como recusa em fornecimento de informações, fato que ainda sujeitará o responsável às medidas previstas na Lei Orgânica e demais normativas deste Tribunal de Contas, além das disciplinares do art. 32 da Lei de Acesso à Informação (Lei nº 12.527/2011), sem prejuízo de configurar ato de improbidade administrativa”.

 

Confira aqui a íntegra da recomendação publicada no Boletim Oficial nº 1868.