Acessibilidade

Tamanho da Fonte

Alto contraste
Ir para o conteúdo 1 Ir para o menu 2 Ir para o rodapé 3
TCE/TO > Sala de imprensa > Notícias > Roda de conversa sobre saúde mental acontece nesta sexta-feira no TCE/TO

Roda de conversa sobre saúde mental acontece nesta sexta-feira no TCE/TO

148 Visualizações
Publicado: 16 de setembro de 2021 - Última Alteração: 17 de setembro de 2021

Tamanho da Fonte

Programação faz alusão a campanha Setembro Amarelo

O Tribunal de Contas do Tocantins (TCE/TO), por meio da Diretoria de Recursos Humanos realiza nesta sexta-feira, 17, a primeira roda de conversa sob o tema “Pandemia, adoecimento mental e suicídio, o que temos a ver com tudo isso? Setembro Amarelo: prevenção ao suicídio” como ação do programa Qualidade de Vida. O encontro será na sala 17 do Instituto de Contas, às 15h. O evento faz parte da campanha Setembro Amarelo e será realizado com os servidores e terceirizados. A segunda roda de conversa será na quinta-feira, 23.

O projeto visa refletir sobre os impactos emocionais agravados pela pandemia, abordando questões sobre a prevenção do adoecimento mental e do suicídio e qual olhar sobre cada um e sobre o outro nesse cenário de pandêmico.

A psicóloga do TCE/TO, Juliana Marinho Ribeiro, que irá coordenar as rodas de conversa, destaca a importância da participação em massa dos servidores e terceirizados. “Desenvolver conhecimento sobre o adoecimento mental é uma forma eficaz de ajudar a nós mesmos e, sobretudo, ajudar aos outros”, disse Juliana.

Ela ressaltou também que “se importar com o outro, ter o olhar sobre si e sobre o outro, salva vidas”, e completa dizendo que “não somente em razão da pandemia que estamos enfrentando, mas está mais que na hora da sociedade desenvolver esse olhar para o outro”.

De acordo com o projeto, a chegada da crise sanitária provocada pela pandemia da Covid-19, resultou no aumento dos fatores de risco para o suicídio. Em muitos casos, isso tem afetado a saúde mental das pessoas, causando angústia, ansiedade e depressão. Estudos utilizados pelo Programa de Qualidade, mostram que esses fatores, somados às questões de violência e sentimento de perda, por exemplo, acabam sendo variáveis que contribuem para o risco de suicídio.