Acessibilidade

Tamanho da Fonte

Alto contraste
Ir para o conteúdo 1 Ir para o menu 2 Ir para o rodapé 3
TCE/TO > Sala de imprensa > Notícias > Bate-papo sobre suicídio e acolhimento familiar encerra encontros com servidores

Bate-papo sobre suicídio e acolhimento familiar encerra encontros com servidores

154 Visualizações
Publicado: 23 de setembro de 2021 - Última Alteração: 24 de setembro de 2021

Tamanho da Fonte

Rodas de conversas fazem parte da campanha Setembro Amarelo do programa Qualidade de Vida

Na tarde desta quinta-feira, 23, o Tribunal de Contas do Tocantins (TCE/TO) promoveu a segunda e última roda de conversa alusiva à campanha Setembro Amarelo, com o tema “Pandemia, adoecimento mental e suicídio, o que temos a ver com tudo isso? Setembro Amarelo: prevenção ao suicídio”, no Instituto de Contas 5 de Outubro. A ação faz parte do programa Qualidade de Vida, desenvolvido pela Diretoria de Recursos Humanos (RH) da Corte.

A conversa foi conduzida pela psicóloga Juliana Marinho Ribeiro, que pontou sobre os riscos do adoecimento mental, que podem levar ao suicídio e, como a pandemia agravou a incidência de casos, devido ao medo, o isolamento, a incerteza do futuro, entre outros fatores. Além disso, foram pautados os sinais comportamentais que podem indicar algum tipo de adoecimento e como podem ser percebidos no dia a dia.

A psicóloga ressaltou ainda que, ao cogitar o suicídio, o indivíduo considera “a perda do vínculo consigo mesmo”, fator esse que torna determinante o apoio de familiares e amigos no enfrentamento do sofrimento mental.

Outro ponto primordial do debate foi reconhecer os mitos e verdades que envolvem o suicídio, as possíveis causas, a grande incidência do público jovem nos casos de tal ação, e a importância de desmistificar o apoio profissional em casos de adoecimento mental.

Psicóloga Juliana Marinho (à dir.) durante roda de conversa com servidores do TCE/TO

Destacado como uma das melhores formas de ajudar, a psicóloga apontou o diálogo como ponto chave no enfrentamento do adoecimento mental. Além disso, foram indicadas também os demais meios de ajuda profissional, como terapia com psicólogos e psiquiatras, práticas de atividade física e meditação, e o convívio com aqueles que forma a rede de apoio, outra aliada nessa luta “Uma rede de apoio estabilizada ajuda bastante”, ressalta.

Atendimento

Os atendimentos psicológicos individuais foram retomados em agosto. O agendamento para o atendimento será de 2ª a 6ª, das 14h às 18h, por meio do ramal 5909, da Coordenadoria de Saúde. A psicóloga Juliana Marinho ficará à disposição de todos os servidores que precisarem deste apoio.

Segundo a coordenadora do Núcleo de Saúde da Corte, Marleide Aguiar, a saúde mental é muito importante e é preciso estar atento aos sinais, sobretudo na pandemia. “A saúde mental é de extrema importância para o bem-estar de todos os indivíduos e deve receber constante atenção, ainda mais na pandemia. Por isso o atendimento psicológico no TCE/TO está voltando para dar esse suporte aos nossos queridos servidores”, completou.

Esse atendimento faz parte do programa Qualidade de Vida inserido na diretoria de Recursos Humanos na área de coordenação da Saúde do TCE/TO.